PUBLICIDADE
Topo

Distanciamento é físico, não emocional; e mais dicas para enfrentar a crise

ECOA

21/03/2020 04h00

Talvez essa seja a primeira vez na história da humanidade que o mundo inteiro esteja passando pela mesma crise em conjunto. Não importa sua nacionalidade, a cor da sua pele, quanto você ganha no fim do mês. O coronavírus está aí, e mesmo que ele não te infecte – e esperamos que todos que estejam lendo esse texto estejam saudáveis e protegidos -, ele com certeza já mudou a sua vida.

Desde o começo de março, a pandemia está alterando o funcionamento da sociedade brasileira. Termos como distanciamento social, transmissão sustentada e até home office começaram a aparecer no dia a dia do brasileiro. Junto com esse novo vocabulário, a incerteza foi algo que começou a entrar na vida de todo mundo.

Essa incerteza pode vir desde não sabermos como lidar com a pandemia, passando pela mudança da nossa rotina, até o medo de ficarmos sem dinheiro e mantimentos no fim do mês. Tudo está mudando e está mudando rápido. E essa incerteza pode nos tirar do prumo. Quantas pessoas não estão conseguindo trabalhar ou simplesmente focar?

Para quem não sabe, há dois anos eu fundei o #EuEstou. O #EuEstou é uma plataforma de promoção de saúde mental na internet que conta com perfis em praticamente todas as redes sociais e cria conteúdos para desmistificar a saúde mental, educar a população e apoiar a quem precisa ou a quem quer ajudar alguém.

Mais do que soluções individuais para combater a pandemia do coronavírus e a Covid-19, temos de pensar em soluções coletivas. E isso passa pela nossa saúde mental, que está sendo abalada diariamente.

Pensando nisso e com o apoio do Instituto Vita Alere, capitaneado pela Dra. Karen Scavacini, trago aqui para vocês algumas coisas que podemos fazer para nos ajudar a passar por essa crise de uma maneira mais tranquila possível. Nos respeitando e nos ajudando para que tenhamos força para ajudar o outro. Que no fim, a gente só vai sair dessa se todo mundo pensar na comunidade.

O primeiro ponto que a gente precisa saber é:

Distanciamento social é físico, não emocional.

Nessa época de quarentena, precisamos, sim, ficar o máximo possível em casa e sem contato físico com outras pessoas, para que não sejamos contaminados pelo coronavírus e principalmente para não transmitirmos para a populações de risco (idosos, pessoas com doenças respiratórias ou condições do sistema imunológico.).

Mas esse distanciamento físico, não quer dizer que precisamos nos afastar emocionalmente das pessoas. Todo mundo hoje tem um celular ou computador em casa que permite você se comunicar com alguém de que gosta em tempo real. Use isso. Mais do que apenas mandar um texto ou um áudio, ligue em vídeo para a pessoa. Ver a pessoa, como ela reage ao que você fala e até como ela fala é essencial para a nossa comunicação e para nos conectarmos um ao outro.

Como eu sempre falo aqui, o ser humano é um animal social e precisamos sempre ter a nossa tribo por perto. O que nos leva ao nosso próximo tópico:

Use a tecnologia a seu favor.

Como falamos acima, todo mundo hoje tem um celular ou um computador em casa. Mais do que apenas usarmos para os grupos de WhatsApp, essa é nossa chance de usarmos essas maravilhas tecnológicas para nos aperfeiçoar e até para esquecermos um pouco da vida real.

Para você não se sentir sozinho em casa – ou variar um pouco a cara das pessoas que vê todo dia – que tal fazer uma video chamada em grupo? Se você usa o WhatsApp, o Instagram e o Facebook Messenger, tem essa funcionalidade na mão agora. Chama os amigos para almoçarem contigo ou até para fazer um happy hour online — cada um na sua casa.

Muitas empresas de tecnologia estão liberando alguns recursos pagos de forma gratuita. Tem cursos online, aplicativos com planos de assinatura, pacotes de filmes, livros digitais. O que você quiser. Dá uma olhadinha nos serviços que te interessam e usa esse tempo livre para conseguir se aprimorar em algum tema que você queira ou só maratonar aquela série que sempre deixou para depois.

Esse cuidados são importantes por que temos de sempre ter:

Cuidado com o excesso de informação

A vida real é muito mais lenta do que o seu feed de notícias em qualquer rede social. Em tempos que queremos saber de tudo que está acontecendo, essa ansiedade nos paralisa. Ficamos acessando o Twitter, Instagram, Facebook, ou portais como o UOL, toda hora em busca de novas informações. Mas muitas vezes não temos nada de novo. Vai demorar para termos uma vacina ou para um governo tomar uma decisão que vai impactar a vida de milhões de pessoas.

Com os aplicativos de mensagem é ainda pior. Você está em dezenas de grupos de WhatsApp, cada um encaminhando dezenas de vídeos, áudios, fotos e textos. Você não consegue nem consumir todos os conteúdos com qualidade, quanto mais saber quais são de procedência duvidosa ou não.

Então mais do que se inundar com milhares de posts, textos e opiniões sem saber o que fazer com tudo isso. Fica de boas. Arruma a casa, lê um livro, instala um aplicativo de organização pessoal ou financeira no celular. Usa seu tempo para você e para algo concreto, que você pode mudar.

Uma maneira de fazer isso acontecer mais fácil é:

Criando uma rotina

Se você está em quarentena em casa, é muito tentador não tirar o pijama nunca, comer a hora que der vontade, jogar horas de video game e trabalhar até de madrugada.

Mas isso não é bom para você. Muitos estudos já comprovaram a importância da rotina na nossa vida, como dormir, acordar e comer na mesma hora é super importante para a sua saúde física e, consequentemente, mental.

Então, mesmo ficando em casa o ideal é criar uma rotina. Uma ideia é tratar o dia como se você fosse sair de casa. Acorda, escova o dente, toma banho, troca de roupa, toma café da manhã e ai começa a trabalhar. Para de trabalhar na hora do almoço e apenas se alimente como você fazia duas semanas atrás no trabalho.

Essa é só uma idéia. Ache uma rotina que funcione para você. Mas não deixe de cumpri-la por que tenho certeza que você vai se sentir bem melhor ao fazê-la.

Isso é importante por que, mesmo em casa, a gente tem de continuar:

Cuidando da mente e do corpo

Se você faz algum tratamento psicológico ou físico, não pare por causa da pandemia. Converse com seu psiquiatra ou médico para que você possa fazer os ajustes necessários para continuar seu tratamento.

Isso pode ser desde fazer suas sessões de terapia por algum aplicativo de video chamada, até ter a quantidade suficiente de remédios essenciais em casa ou as receitas médicas necessárias para comprá-los.

Além de continuar o tratamento, vale a pena pensar no que você vai comer e beber durante esse tempo. Ficando em casa, pode ser muito fácil ficarmos com preguiça de fazer uma refeição saudável ou até de bebermos álcool todos os dias. Mas isso não é nada indicado e pode afetar muito a sua saúde física e mental.

Além das refeições, vale muito a pena pensar em como se exercitar no espaço que tem. Na internet tem muitos vídeos e aplicativos com tutoriais mostrando como fazer exercício com o que você tiver em casa. Não sabemos ainda se as medidas de quarentena vão ficar mais pesadas, se não vamos poder nos exercitar nas ruas. Então, já vale a pena ir pesquisando isso, pois exercício além de bom pro corpo é ótimo para a mente.

E por fim, talvez a dica mais importante de todas:

Peça ajuda

Não importa o que você está sentindo e por que você está sentindo, o que importa é você colocar para fora do jeito que for. Pedir ajuda pode ser difícil, você pode achar que ninguém vai te entender e que não tem alguém para te ouvir. Mas eu te garanto que tem. Seja alguém que você conheça, algum profissional da saúde ou até um desconhecido na internet.

Ninguém está sozinho. Nunca. E, nesse momento que estamos vivendo, estamos menos ainda. Então, se você não está se sentindo bem e precisa conversar com alguém, peça. Prometo que vai valer muito a pena para você e para a pessoa que vai te ouvir.

Lembrando que se você não sabe começar uma conversa e quer ajudar alguém, lá nos perfis do #EuEstou no Instagram e no YouTube, tem videos em que a gente mostra desde como começar uma conversa até como pedir ajuda. No perfil do Instituto Vita Alere, também estão postando ótimos conteúdos para você e sua família usar todos os dias.

O mundo inteiro está nessa junto. A gente vai sair dessa se a gente pensar no coletivo e não só no individual. Nos ajudando e nos ouvindo, vamos criar um mundo não só melhor agora nesse começo de pandemia, mas para anos depois dela. Pois se tem uma coisa que esses tempos estão nos mostrando é que não importa fronteiras, faixa social e cor da pele. A gente está tudo junto nessa rocha azul que flutua no meio do espaço e só vamos ficar bem se todo mundo estiver bem.

Que tal começando por cuidar de você?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre o Autor

M.M. Izidoro é contador de histórias e criador da campanha #EuEstou, para promover a saúde mental e a prevenção do suicídio entre adolescentes no Brasil

Sobre o Blog

A cada 15 dias, vamos contar notícias boas da vida real que aconteceram com gente de verdade como eu e você