PUBLICIDADE
Topo

O medo da solidão

ECOA

07/03/2020 04h00

Uma das forças mais poderosas que existe dentro da gente é o medo da solidão.

Você já parou para pensar por que você está vestido do jeito que você está? Ou por que você fala as expressões que você fala? E até por que você tem os relacionamentos que você tem?

Mesmo a solidão hoje sendo um problema de saúde crônico no mundo inteiro, com pessoas ficando fisicamente e mentalmente doentes, o medo de ficarmos sozinhos é uma das razões primordiais que nos levam a fazer o que fazemos. Até ficarmos sozinhos.

Há muito tempo, quando os humanos começaram a se organizar em grupos sociais, nós tínhamos uma comunidade em volta de nós o tempo todo. Todos ali trabalhando para o mesmo objetivo, que poderia ser resumido em sobreviver. Os cientistas chegaram à conclusão que as tribos daquela época tinham entre 100 e 150 pessoas, com tribos pequenas como essa, você tinha sempre uma conexão com praticamente todos os outros integrantes da tribo. Você trocava afeto, tristeza, felicidade, ódio e amor com todos. Todos trabalhavam pela mesma ideia. Você vivia e morria com aquelas pessoas. Era impossível não criar laços fortes.

As coisas foram indo assim por muito tempo, até que a pouco tempo atrás inventamos as máquinas e as cidades e viemos viver amontoados aos milhares em cubos de madeira, ferro, cimento e vidro.

Mas mesmo com milhares de outros humanos a nossa volta, ainda somos os mesmos humanos que durante milhares de anos ficaram em tribos pequenas e sentimos falta disso. Por essa necessidade, tivemos de recriar nossas tribos do nosso jeito.

Por isso que pessoas de uma mesma religião, profissão e até classe social se vestem e se portam de um mesmo modo. Porque, ao encontrar alguém que está vestido e falando como você, você não se sente mais sozinho. Você tem uma tribo novamente e isso é ótimo.

O problema com tudo isso é que o medo de ficar sozinho também nos leva a fazer escolhas equivocadas. Na nossa ânsia de pertencer a um grupo, de ter afeto de outra pessoa, de não passarmos tempo com nós mesmos, acabamos fazendo escolhas afobadas e que podem custar caro em pouco tempo.

Quantos casamentos começaram com as pessoas apenas com medo de ficarem sozinhas? Quantas carreiras de décadas aconteceram porque aquele profissional tinha medo de sair daquele grupo de pessoas? Quantas pessoas se deixaram levar por outras que se proclamavam líderes religiosos, espirituais e políticos porque em volta deles tinham outras pessoas que pensavam e agiam como eles e assim eles não estavam mais sozinhos?

O medo da solidão faz a gente não pensar direito e tomar decisões equivocadas que podem ter repercussões durante nossa vida inteira, mas isso pode ter uma solução.

Muitas dessas decisões que tomamos vêm do simples fato que nós não ficamos confortáveis na presença de nós mesmos. Ficar sozinho é encarar os medos, as vontades, as coisas bonitas e feias que estão dentro de você. A incerteza de que estamos fazendo a coisa certa, de que estamos indo no caminho que queríamos, que as coisas acontecem na nossa vida pelas nossas ações e não só pela vontade de um ser todo poderoso. Isso machuca.
Então, por mais doido que pareça o que vou dizer agora, a melhor maneira de pararmos de ter medo de ficar sozinhos é de aprendermos a ficar sozinhos.

Não estou falando que devemos ficar presos em casa sem falar com ninguém — como a sociedade japonesa mostra, isso não dá certo e só traz problemas — o que devemos fazer, é olhar para dentro e nos aceitarmos. Entender que tudo bem ficarmos em casa vendo um filme e não irmos a uma festa. Que não precisamos ficar angustiados que não estamos casados ou namorando. Que não fazemos parte daquele ou desse grupo social. Está tudo bem ficar só você com você mesmo.

Precisamos ser menos afobados. Aceitar que talvez não iremos casar com nosso primeiro parceiro, mas sim com vigésimo. Que tudo bem trocar de cidade, trabalho, igreja. Que você não precisa aceitar regras que você não concorda, só porque um grupo social te diz que tem de ser assim.

Para isso, você tem de olhar para dentro e ficar confortável com a sua companhia. Não é algo fácil. O fácil é ter alguém nos dizendo o que falar, o que sentir, o que comer, o que vestir, o que fazer. E vai ter horas que temos de fazer isso. A maioria das horas, eu ouso dizer.

Mas vai ter algumas que só você é suficiente e, quando você consegue ficar sozinho com você mesmo, você nunca mais estará realmente sozinho e vai finalmente estar livre para achar a tribo que realmente te completa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre o Autor

M.M. Izidoro é contador de histórias e criador da campanha #EuEstou, para promover a saúde mental e a prevenção do suicídio entre adolescentes no Brasil

Sobre o Blog

A cada 15 dias, vamos contar notícias boas da vida real que aconteceram com gente de verdade como eu e você